terça-feira, 27 de novembro de 2012

Pelo caminho

pelo caminho amor,deixo-me! Uma rua sem chão ao descoberto, um caminho até ti, no profundo que sinto ser o teu EU. Ali onde tu existias, agora existe uma morte assinalada com a falta de ti em ti mesmo, dou conta que já não és o ontem nem tão pouco serás quem eu jurei um dia saber por dentro. No fundo, sinto-te achado no mundo e perdido em ti. Mas talvez seja eu, a pretender saber se realmente o teu chão está tão só como o que piso em vão. pelo caminho amor. As pegadas vão sendo apagadas como se nunca tivessem sido feitas e a dor consome o peito, a garganta fehca-se, um ñó afaga as palavras que nem uivo deitam. Em solto o amor.... Já tão morto, pequeno e faminto de o ser AMOR... E amanhã como serás? Como seremos nós? Acabou! Ouve bem, acabou. Acabou para sempre e não terminar do fim. Acabou a tentação do sentimento forte que vem e vai e vem e come as entrenhas e fere a alma como se fosse apenas esse o proposito nosso, de comer as entrenhas e morrer na borda do prato, sem o tal que se procura do Amor. Repara ACABOU a última vez foi esta, a última vez desta dor foi esta. Porque para mim o caminho amor, não é este, o caminho que se procura nunca foi este. Por isso, ouve bem, foi a última vez, jamais se repete a mesma caminhada, porque eu não quero, nem permito que tamanha avareza se torne novamente no peito, fechando-o em si, acabou. Porque o caminho amor, não é este. O que é caminho amor, é o amor e este este caminho já nos foi dado, por isso acabou. Porque o caminho do amor, amor, não é este.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Dedicatória à Alma

http://www.youtube.com/watch?v=222ZoZvinjc&feature=colike Do nada, sem sabermos o porquê se quebra o elo entre o céu e a terra do nada, sem aviso previo sem revisão, sem lentidão partes! Partes, deixando inteiras as vidas pelas quais passas nem que seja em memória... Não morre jamais quem da vida deu e na vida fez outras vidas nascerem das suas cinzas! Partes, mas o teu rasto, fica vincado nos que em ti beberam a vida... Do nada, nem aviso perante tamanha decisão divina nada podes senão obedecer. Palavras tuas, tão bem que as proferias em poemas de eterna saudade aos olhos e corações dos que a ti vêem partir, assim do tal nada essas ecoam pelos ventos, que sonetos transportam tamb´´em a tua Alma. Partes, e eles e elas sabendo disto entristecem por dentro chorando as suas lágrimas por fora... esquecem porém que quem fez uma obra jamais PARTE! RIP à poeta do amor á mulher mãe à mão que tantos sonhos embalou ao coração que deu calor a todos outros... Um castelo sem sua rainha fica vazio, sem dúvida Mas essa rainha só quer que o castelo siga e progrida em cada passo. In memory of a Poet

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Uma unica noite

Durou uma vida inteira. Recordo, como o coração batia (e bate) quando as tuas palavras até mim caminham.É sempre um desperdicio deixar-te sair de mim, para mais uma noite ficar nua, nua numa cama que te espera, numa no carinho que te toca, nua no respirar em duo. Tu ficas sempre com o teu lugar reservado para mais uma noite de memórias continuas tuas. Tu olhas o tecto na esperança de lá ficar alguma imagem registada, marcando o que foi (o que é). Amor um dia, e esse dia chega (acredita), um dia a mesma cama e o mesmo tecto olham-se e nós seremos testemunhas desse acontecimento, até lá ama-me, porque para mim tu serás o tudo.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

still

I'm still breathing... and still so far it hurts!